Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Com falha de pressurização, avião nos EUA é obrigado a pousar e assusta passageiros; entenda manobra - Web Rádio PQP

Com falha de pressurização, avião nos EUA é obrigado a pousar e assusta passageiros; entenda manobra

Um Boeing 767 da Delta precisou descer rapidamente na quarta-feira (18) após um problema na pressurização da cabine, relatou a imprensa dos Estados Unidos. Apesar de passageiros relatarem medo – um deles disse que enviou mensagens a familiares –, a rápida descida foi um procedimento correto na aviação.

Uma cabine de avião é pressurizada para que seja possível respirar dentro, já que a altitude é alta, tornando o ar muito rarefeito. A pressurização é mantida por meio de dispositivos, sensores de pressão e válvulas reguladoras. Conforme a aeronave vai subindo, mais pressão é necessária para que a atmosfera dentro da cabine seja mantida o mais similar possível com as condições encontradas no solo.

Casos de despressurização em aeronaves são incomuns e podem ocorrer em consequência de um vazamento em uma janela ou porta, o que faz com que a aeronave tenha dificuldades em manter a sua atmosfera artificial. Quando isso acontece, a oferta de oxigênio dentro do avião cai e pode causar hipóxia nos passageiros – diminuição de ar por metro cúbico no corpo humano.

É para isso que servem as máscaras de oxigênio que caem automaticamente sobre os assentos e que os passageiros precisam colocar sobre o nariz e a boca antes de auxiliar crianças ou pessoas com dificuldade. É para compensar a redução do oxigênio na cabine.

No caso do voo 2353 da Delta, que liga Atlanta a Fort Lauderdale (Flórida), as máscaras caíram assim que o problema foi percebido. Aí, os pilotos desceram oito quilômetros em cerca de oito minutos até chegar a uma altitude baixa na qual seria possível respirar tranquilamente. Em seguida, o avião desviou a rota e pousou no aeroporto de Tampa, também na Flórida.

O ex-piloto Ronaldo Jenkins explicou ao G1 que o piloto adotou a manobra correta para esse tipo de situação. “Não é exatamente um procedimento normal – é algo anormal para atender a uma emergência”, afirmou.

“É uma descida controlada, comandada pelo piloto tendo em vista a necessidade de atingir a altitude de 14 mil pés – onde já há uma maior demanda de oxigênio na atmosfera”, explicou Jenkins.

‘Abracei meu filho’

Homem abraça bebê durante pouso de emergência após falha na pressurização nos EUA; procedimento ocorreu sem anormalidades — Foto: @BrutusOsceola/Reprodução/Twitter

Homem abraça bebê durante pouso de emergência após falha na pressurização nos EUA; procedimento ocorreu sem anormalidades — Foto: @BrutusOsceola/Reprodução/Twitter

De acordo com relatos à imprensa norte-americana, comissários tentaram acalmar os passageiros. Não funcionou com todos.

“Escrevi à minha mulher e ao meu pai que os amava. Disse também que amava a minha mãe e abracei meu filho”, relatou, no Twitter, um passageiro identificado como @BrutusOsceola.

A situação é semelhante à que ocorreu em um voo de Brasília a Teresina em julho. Um avião da Latam teve um princípio de despressurização que assustou os passageiros.

Segundo o ex-piloto Jenkins, a tripulação costuma avisar aos passageiros do procedimento e pedir que mantenham os cintos afivelados – como em um procedimento de descida.

Em nota, a Delta confirmou que o avião pousou normalmente, e que técnicos vão avaliar o que causou o problema da pressurização. De Tampa, os passageiros seguiram a Fort Lauderdale em ônibus.

Deixe seu comentário:

Banner Rotativo

Últimas noticias

Curta no Facebook

© Direitos reservados - Web Rádio PQP @by KD Web Rádio administrável